O que é um checkup inteligente

Saúde

Quem não faz comparações é o que acontece, mas o checkup nada mais é do que uma bola de vidro do médico. É o meio de exame que o vislumbra para o futuro do doente e, se necessário, não é necessário para o alívio do destino. Tudo o que é preciso fazer uma tendência em abusar desse expediente, o que transforma uma bola de cristal em um caro truque de ilusionismo.

O alerta mais recente vem de uma pesquisa do instituto Relatórios de Consumo, nos Estados Unidos, que avaliou cerca de 8 mil pessoas dos 40 anos submetidos a exames de saúde. A função concluiu que 44% dos participantes foram, em algum momento, por exames desnecessários. Eles não portavam a história ou as condições que justificam a realização de uma ressonância cardíaca ou de um ultrassom de carótidas, por exemplo.

No Brasil, a licitação por exames médicos também parece intensificar, tanto da parte do médico quanto ao paciente. “Como pessoas que acreditam, quanto mais eles se sentem, mais protegidas ficam”, observa a patologista Patrícia Oliveira, do serviço de check-up do Laboratório Fleury, em São Paulo. Essa crença, além de ilusória, não está isenta de perigos. Segundo exame, quando um exame é tão bem-sucedido, a aplicação prossegue com métodos mais invasivos e pontuados – basta pensar, insistir na área da cardiologia, não há cateterismo ou tomografia do coração, uma exigência é uma dose , ainda que mínima, de radiação.

“Há uma pressão do paciente por exames. O médico não está autorizado a fazer um outro pensamento que tenha sido mal atendido, lamenta o endocrinologista Frederico Marchisotti, da Rede Diagnósticos da América, em São Paulo. Também temos o outro lado da história. “Os profissionais que não ganham muito por consulta, o que obriga à edição o tempo da avaliação clínica e os maiores testes para ganhar segurança”, diz Marchisotti.

ME VÊ UM EXAME AÍ?

Uma palavra resume bem uma busca pelo checkup inteligente: individualidade. “O ideal é que haja uma lista básica de exames e outros sejam incluídos de acordo com uma idade, as condições e o histórico familiar”, diz o cardiologista César Jardim, que é responsável pela avaliação do Hospital do Coração, na capital paulista. Não é o mundo inteiro que requeira o hemograma de cada mês, é necessário submeter-se a um ultrassom de abdômen … Tudo depende do bom senso – do médico e do próprio paciente. Dado o recado, SAÚDE! convoca uma seleção de testículos indispensáveis ​​em algum momento da vida.

PRESSÃO ARTERIAL

O QUE É? O médico usa um aparelho para conferir a pressão do paciente.

QUANDO FAZER? A ficha costuma ser feita a partir dos 18 anos – mas deve ser requisitada ainda na infância. Precisa ser repetido, no mínimo, uma vez por ano.

POR QUÊ? Detecta alterações na pressão arterial e diagnostica a hipertensão, fator de risco para infartos e derrames.

HEMOGRAMA

O QUE É? É o exame de sangue clássico, que registra o estoque de células vermelhas e brancas.

QUANDO FAZER? É solicitado desde a infância. A menos que haja algum motivo, pode ser refeito anualmente.

POR QUÊ? Sinaliza o estado do sangue e do sistema imunológico, acusando problemas como infecções.

COLESTEROL E GLICEMIA

O QUE SÃO? Testes sanguíneos que avaliam a concentração de gorduras e de açúcar na circulação.

QUANDO FAZER? Podem ser receitados desde a infância, mas depois dos 18 anos a indicação ganha ainda mais consistência. O prazo para repeti-los varia. Depois dos 40, vale uma picada anual.

POR QUÊ? Flagram altos níveis de colesterol e triglicérides, que favorecem as placas capazes de obstruir os vasos. Já a medida da glicose acusa a propensão ao diabete.

ELETROCARDIOGRAMA E TESTE ERGOMÉTRICO

O QUE SÃO? Ambos se valem de eletrodos sobre o peito para apurar o risco cardiovascular. O primeiro é feito com o paciente deitado e o segundo, em movimento.

QUANDO FAZER? Podem ser solicitados ainda na casa dos 20 anos e se tornam obrigatórios após os 40 — a partir dessa idade, o repeteco deve ser anual.

POR QUÊ? Ambos inferem a presença de entupimentos nas artérias, fenômeno que precede ataques cardíacos.

ECOCARDIOGRAMA

O QUE É? É o ultrassom do coração.

QUANDO FAZER? Pode ser receitado na casa dos 20 anos, mas também se torna crucial a partir dos 40. A partir de então, costuma ser refeito anualmente.

POR QUÊ? O método permite avaliar a capacidade de contração do músculo cardíaco, bem como as válvulas desse órgão, alertando para possíveis disfunções.

PAPANICOLAU

O QUE É? O médico raspa células do tecido que reveste o colo do útero. Esse material é analisado no microscópio.

QUANDO FAZER? No começo da vida sexual da mulher. Deve ser feito anualmente.

POR QUÊ? Identifica alterações no colo do útero, bem como lesões pelo vírus HPV, que podem abrir caminho para o câncer.

MAMOGRAFIA

O QUE É? A mulher é submetida a uma máquina que fornece imagens das glândulas mamárias, o que permite averiguar alterações na região.

QUANDO FAZER? O exame deve ser feito anualmente a partir dos 40 anos. Se houver casos de câncer na família, a investigação começa mais cedo, por volta dos 30.

POR QUÊ? O exame é essencial para a detecção precoce do câncer de mama, um dos mais comuns no sexo feminino.

PSA E TOQUE RETAL

O QUE SÃO? O primeiro é um marcador sanguíneo de doenças na próstata. O segundo consiste na avaliação da glândula por meio da introdução do dedo do médico no reto do paciente.

QUANDO FAZER? A partir dos 40 anos, com repetições que podem ser anuais. Se houver casos de câncer na família, os primeiros exames devem ser feitos por volta dos 35.

POR QUÊ? A combinação dos exames ajuda a diagnosticar em fase curável o câncer de próstata. Também acusa o crescimento anormal da glândula.

COLONOSCOPIA

O QUE É? Com um tubo dotado de uma câmera na ponta, o especialista investiga o intestino grosso (cólon e reto).

QUANDO FAZER? A partir dos 50 anos. A avaliação deve começar mais cedo se houver casos de câncer na família. Dependendo do resultado do primeiro exame, a repetição é feita a cada dez anos.

POR QUÊ? O método detecta pólipos, alterações que podem se transformar em tumores. É fundamental, portanto, para a prevenção do câncer de cólon.

DENSITOMETRIA ÓSSEA

O QUE É? Um exame de imagem que verifica a densidade e a integridade de ossos como a bacia e o fêmur.

QUANDO FAZER? É recomendado às mulheres a partir dos 65 anos. Se houver menopausa precoce ou osteoporose na família, o rastreamento deve começar mais cedo.

POR QUÊ? Diagnostica a perda de massa óssea e a osteoporose.

EXAMES DE FUNDO E PRESSÃO DO OLHO

O QUE SÃO? O oftalmologista avalia, por meio de aparelhos, a porção mais profunda do globo ocular e a pressão intraocular.

QUANDO FAZER? Costumam ser realizados em consultas de rotina, mas a investigação se torna de extrema importância a partir dos 50 anos.

POR QUÊ? Pesquisam males que danificam a visão, como o glaucoma, caracterizado pelo aumento da pressão dentro do olho.

DOSAGEM DOS HORMÔNIOS DA TIREOIDE

O QUE É? Exame de sangue que calcula hormônios como o TSH e o T4.

QUANDO FAZER? É solicitado sobretudo às mulheres, que sofrem mais de distúrbios na glândula. Pode ser prescrito desde a juventude, com periodicidade variável.

POR QUÊ? Denuncia disfunções como o hipo e o hipertireoidismo, que repercutem no corpo inteiro.

CHECKUP X INVESTIGAÇÃO

Os médicos empregam o termo checkup para se referir a um exame que exige uma avaliação – o estado das mamas ou o perfil de colesterol – antes da presença de sintomas. Mas, quando as queixas já aparecem, estamos a falar de investigação diagnóstica – testes são solicitados para descobrir o que é errado. Um bom exemplo é endoscópico, prescrito com reações de queimação e dores de estômago e rastreia gastrites e refluxos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *